Nando Reis

Na última quinta-feira, Porto Alegre recebeu Nando Reis, um dos artistas de maior sucesso comercial da atualidade no Brasil. Acompanhado de sua banda, “Os Infernais”, o cantor veio à cidade divulgar seu mais novo álbum “Drês”.

Nando ReisCom um atraso de 15 minutos, a banda sobe ao palco para “Mosaico Abstrato” e “Hi Dri!”, do último disco e, em seguida, “Sou Dela”, sucesso da trilha da novela “A Favorita”. Esta, sim, levantou o público. Durante esta música, uma homenagem a Michael Jackson.

O som estava realmente ruim, algo muito raro no Teatro do Bourbon Country. Tudo soava mais agudo do que deveria, principalmente os vocais e a bateria. Além disso, não era possível entender com muita clareza o que Nando cantava ou mesmo falava. E ainda havia um enorme desconforto a cada “s” pronunciado, que chiava se forma um pouco estridente (peço aqui que alguém que conheça mais áudio do que este redator esclareça isso, por favor, através de um comentário).

O público parecia dividido em facções distintas: os verdadeiros fãs, minoria, conheciam todo o trabalho do artista, cantando as canções de forma emocionada e respeitosa, como quem está diante da arte que tem relevância nas suas vidas. De outro lado, maioria, pessoas que conhecem apenas os maiores hits radiofônicos de Nando Reis, “Por Onde Andei”, “No Recreio”, “Relicário”, “Luz dos Olhos” e, acima de todas, “All Star”. Esta última, ponto alto. Além de ser enriquecida por um belo solo de baixo de Felipe Cambraia, foi sem dúvida nenhuma o momento mais emocionante da apresentação e também a mais aplaudida da noite.

Um trecho interessante foram as canções em homenagem. “O Mundo é Bão, Sebastião”, “Só pra So”, e “Espatódea”, em homenagem a seus filhos Sebastião, Sophia e Zoe, deram um charme especial demonstrando o pai amoroso que Nando é. Mas em seguida Nando conta que certa vez, em uma noite fria em Porto Alegre, escreveu uma canção sob uma cirNando Reiscunstância triste e traumática de sua vida: a perda de sua mãe. Mandou então “Conta”, música que acabou por de certa forma quebrar o clima de celebração que o show levava até ali. Com versos tristes como “Desde o dia em que eu perdi minha mãe / Eu me perdi de mim também” e “Só sei que ela me deixou / Por que ela me deixou? / Por que ela me deixou? /Ela me deixou”, causou certo desconforto em alguns. É claro que o artista é livre para expressar seus sentimentos da forma que achar melhor, mas nesse caso talvez fosse mais conveniente que essa expressão se limitasse a um registro em estúdio. A música é bonita, mas não caiu bem naquele momento.

Nas últimas duas músicas, “Os Cegos do Castelo” e “O Segundo Sol” a voz de Nando Reis já apresenta claros sinais de deterioração. Algumas falhas, especialmente nos tons mais altos, chegam a soar feias. Alterou a linha vocal em alguns momentos e chegou a parar de cantar em outros, mas, como grande artista que é, não precisa se preocupar com isso: a galera cantou por ele.

Para o bis, uma seleção especial: “Aonde Você Mora”, do Cidade Negra, totalmente rearranjada com uma levada mais light, “Marvin”, maior sucesso dos Titãs na voz de Nando, e, para fechar, “Do Seu Lado”, música composta por Nando Reis e um dos maiores sucessos dos mineiros do Jota Quest.

Foram duas horas e sete minutos de show que satisfizeram plenamente os fãs de Nando Reis.

Por: Marcel Bittencourt

Fotos: Fabiana Menine

Publicações Relacionadas

2 Comentários

  1. Rafaela

    Eu achei o show lindo em todos os sentidos… E só pra constar que “Onde você mora?” é uma composição do Nando Reis com a Marisa Monte que foi gravada pelo Cidade Negra.

    [Responder]

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *