AudioFARM Weekend: Mais uma iniciativa de apoio à cena autoral

    O independente é o que mais depende. Essa frase foi pauta de uma conversa entre este redator e Mateus Borges, proprietário do rancho audioFARM (empresa que comporta um estúdio de gravação, uma produtora de vídeos e uma fábrica de eletrônicos).  Por conta de toda esta carência de apoio à nova cena foi criado o audioFARM Weekend, evento que acontecerá bi-mensalmente no Eclipse Studio Bar, recebendo seis artistas divididos em duas noites: na sexta, Pop Rock e no sábado a noite é Rock and Roll. A iniciativa conta, ainda com o apoio de diversas empresas e veículos de comunicação. Entre eles, o POA Show.

Sexta-feira – Pop Rock
 

Lucas Restori

A responsabilidade de abrir os trabalhos ficou a cargo do cantor pop Lucas Restori (www.lucasrestori.com.br). Com uma banda afiada (destaque para o guitarrista ), Lucas demonstra um bom domínio de palco e de voz. A qualidade das composições também chama a atenção. Os fãs de música pop encontram em Lucas Restori a renovação que não encontramos nas grandes rádios comerciais.

Mandala
    Com quase 10 anos de carreira, a Mandala fez uma boa apresentação. Bem ensaiada, a Mandala apresentou um repertório baseado em composições próprias (com destaque para a música de trabalho “Filhos do Amanhã”). No entanto, o ponto alto ficou por conta da versão de “O Inferno Vai Ter Que Esperar”, da Rosa Tattooada. Nela, a banda trouxe a canção totalmente para seu estilo.

Em uma atitude no mínimo estranha, a Mandala quebra totalmente o ritmo de sua apresentação. O show que tinha tudo para ser excelente foi “quebrado” por uma apresentação de duas músicas da banda Estab (que conta com o baixista July Prata nos vocais e guitarra). Além de prejudicar o ritmo da apresentação da Mandala, o apadrinhamento acabou por alongar o evento, prejudicando a atração seguinte.

Decanos
    A banda convidada Decanos (www.bandadecanos.com.br) se mostrou uma ótima escolha. Banda competente, coesa, bem ensaiada e com excelente vocalista. Visualmente também chamou a atenção não apenas pela altura do vocalista Gabriel Camilo, como pelo baixista Dedy Salamoni, que vestia um típico Kilt escocês. Prejudicada pelo adiantado da hora, merece uma nova oportunidade.
 

Sábado – Rock and Roll

    Após duas trocas na ordem das bandas, anunciadas através do twitter, A noite de sábado do audioFARM Weekend acabou por contar com Draco, Teto & Muro e Zerodoze, nesta ordem, com muito Rock and Roll de qualidade.

Draco
    Comemorando oito anos de banda, a Draco foi a primeira atração da noite Rock and Roll do audioFARM Weekend. Mesmo sendo a atração mais conhecida da primeira edição do evento, acabou sendo sua responsabilidade abrir os trabalhos na noite de sábado.
    Uma porrada sonora. Essa é a melhor forma de definir o show da Draco. Sem frescuras, sem concessões, o quarteto apresenta um Rock and Roll pesadíssimo e honesto até os ossos. Desde a primeira canção, “O Inferno é Aqui”, até o hit “Louco da Estrada”, que fechou a apresentação, o que se viu foi uma banda forte, verdadeira, e que mantém vivo o espírito do Rock and Roll. Nota 10.


Teto e Muro

    Dona de uma sonoridade um pouco mais elaborada que a atração anterior, a Teto & Muro fez uma apresentação na medida. Nem curta a ponto de deixar curiosidade nem longa a ponto de saturar, o quinteto mandou bem em suas composições próprias. Mesmo formada por excelentes músicos, podemos destacar  o guitarrista Vinicius Guazzelli, ou Foguinho, que soube unir muito bem técnica e feeling. Entre as composições, chamou a atenção a ótima “O Troco”, que levantou o publico presente.

Zerodoze
    Mesmo começando sua participação após as 3h da manhã, o power trio Zerodoze conseguiu manter um bom público no Eclipse. E quem ficou, não se arrependeu: a banda mostrou suas composições viscerais com muita competência, fazendo jus ao alto nível da noite. Foi a única a apresentar covers: as excelentes “Let There Be Rock”, do AC/DC (que contou com a participação de Igor Assunção, do Cartel da Cevada) e “Wrathchild”, do Iron Maiden, serviram como um plus no repertório da Zerodoze.
   

O audioFARM , empresa que vem crescendo no mercado e é dona de práticas que vem acrescentar muito à cena musical gaúcha agora tem um evento que serve de vitrine para os novos artistas. Ao lado da “Noite do Senhor F”, proporciona espaço à bandas autorais que desenvolvem um trabalho sólido e consistente. Esta foi apenas a primeira edição. Cabe ao público, aos apoiadores e à imprensa apoiar mais esta iniciativa, que pode servir de fermento ao que é produzido de bom no Rio Grande do Sul.
   

Que venham as próximas edições do audioFARM Weekend!

 

Por: Marcel Bittencourt

Fotos: Fabiana Menine

Publicações Relacionadas

2 Comentários

  1. Gustavo

    Pois é, mas rock independente tem que ser feito com verdade e honestidade.

    O povo pagou pra ver uma gravação de DVD de suas bandas favoritas. As bandas acreditaram nesse material ao vivo, que seria de grande utilidade para elas, convocaram seus fãs e amigos.

    Sabidamente o Eclipse Studio Bar, que é um ótimo bar, não tem estrutura para se gravar um DVD. Um clipe talvez, mas DVD realmente é complicado.

    Acho ótimo querer “ajudar” a cena independente mas tem que ser feita com seriedade.

    E não entendo essa pilha de que alguém vai vir e vai salvar a cena independente. A cena independente tem que se ajudar, se profissionalizar e buscar suas coisas. Um estúdio não vai querer te dar isso. Talves te ajude gravando um disco lá como Draco e Cartel da Cevada, que tem uma produção bem boa.

    Mas não acredito em mecenas que não visam algum tipo de ganho.

    E acredito menos ainda em propaganda enganosa. Prometeu e não cumpriu.

    [Responder]

  2. Mateus Borges

    Pois é Gustavo, infelizmente como foi explicado na data e conversado com as bandas, não foi possível realizarmos a captação ao-vivo do evento, por puro motivos de estrutura física. E justamente por respeito às bandas foi que assumimos o erro de planejamento e engendramos uma solução para a produção do DVD. A gravação acontecerá em outra data, em estúdio de forma “in-door”, com toda a estrutura necessária para que alcance a qualidade objetivada. Quando vires o resutado final entenderás que valeu a pena e que todos ganharam com o esforço.

    [Responder]

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *