Joe Cocker em Porto Alegre: um grande show para um pequeno público.

Noite de terça-feira em Porto Alegre e a cidade recebe uma das maiores lendas da história do Rock: o cantor britânico Joe Cocker fez apresentação impecável no Pepsi On Stage, abrindo sua turnê brasileira do álbum “Hard Knocks”. Depois da capital gaúcha, a banda liderada por Cocker segue para São Paulo (29 de março), Belo Horizonte (31 de março) e Rio de Janeiro (1º de abril).

    Pontualmente às 21h as luzes se apagam para a entrada de Joe Cocker no palco para “Hitchcock Railway”, que botou o público predominantemente adulto para dançar. Desde a primeira canção fica evidente a qualidade de som e luz, bem como a competência da banda que acompanha o cantor (destaque para a excelente baixista Oneida James). Com absolutamente todos os instrumentos excelentemente timbrados e uma mixagem ao vivo de primeira linha, era possível apreciar a música de Joe Cocker em sua totalidade, nos mínimos detalhes e da maneira condizente com a qualidade de uma das maiores e melhores vozes da história da música.

    Após algumas canções que arrancaram uma reação apenas razoável do pequeno público que compareceu para assisti-lo, os primeiros acordes de “Up Where We Belong” arrancam os primeiros aplausos mais fortes. O público cantou junto e se emocionou com uma das melhores interpretações da noite. Da mesma forma, em seguida, “You Are So Beautiful” foi a trilha sonora para os muitos casais de meia idade na pista do Pepsi On Stage.

    O encerramento da primeira parte do show não poderia ter sido melhor: quatro canções emblemáticas de outros artistas, interpretadas de forma tão magnífica e competente que se tornaram clássicos na voz de Joe Cocker: “Come Together” (Beatles), You Can Leave Your Hat On (Randy Newma), Unchain My Heart (Ray Charles), e With a Little Help from My Friends (Beatles) impressionaram o público que, cada vez mais, ovacionava o cantor e sua banda. Os dois retornos de Joe Cocker ao palco, longos, para delírio do público, ainda contaram com outros hits históricos, como “Cry Me a River” (cover de Ella Fitzgerald) e “Long as I Can See the Light” (cover de Creedence Clearwater Revival), que encerrou as quase duas horas de show.

    Simpático e cheio de gesticulações, Joe Cocker não se dirigiu muito ao público. No entanto, mostrou técnica e talento, visto que aos 67 anos ainda é dono de uma voz poderosa sobre a qual construiu sua sólida carreira de mais de quatro décadas. Cantando com a alma, Joe Cocker fez em 2012 o que Alice Cooper fez em 2011 no mesmo local: um dos melhores shows do ano em Porto Alegre, porém, infelizmente, para poucos privilegiados.

Por: Marcel Bittencourt

Related posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *