Steve Vai: o maestro da guitarra em Porto Alegre

Noite chuvosa em Porto Alegre e casa cheia na Osvaldo Aranha; o auditório Araújo Vianna recebia centenas de guitarristas, fãs, apreciadores e entusiastas do instrumento símbolo do rock, que nas mãos de guitarristas como o nova-iorquino Steve Vai, ganhou ainda mais notoriedade na década de 80 e foi levado a extremos em termos de exploração técnica e sonora.
Influência para milhares de guitarristas ao redor do mundo, Steve Vai visita a capital gaúcha mais uma vez, após um longo período sem dar as caras por aqui. Além de uma tão esperada passagem por Porto Alegre, os fãs tinham desta vez um motivo mais do que especial para marcar presença: a turnê de 27 anos do álbum Passion and Warfare, considerado o mais clássico do guitarrista.
Com início pontual, Vai sobe ao palco acompanhado por Dave Weiner (guitarra/teclado), Philip Bynoe (baixo) e Jeremy Colson (bateria) enquanto o telão exibe uma das cenas finais do filme Crossroads, onde o personagem de Steve faz um duelo de guitarra com o garoto interpretado por Ralph Macchio. O acender das luzes vem ao som da pesada Bad Horsie, durante a qual o guitarrista usou capuz e óculos com lasers (apenas uma das várias excentricidades de Vai ao longo da noite).
Logo em seguida, The Crying Machine se mostrou uma das canções com maior potencial receptivo neste repertório, ainda que a parte dedicada ao álbum Passion and Warfare não tivesse sido introduzida até o momento. Nela, Vai e o excelente guitarrista Dave Weiner (membro de sua banda há mais de 15 anos) mandaram ver nos improvisos, durante uma jam session em meio à composição original.
Vai apresentou ainda Gravity Storm e a belíssima Whispering a Prayer, antes de apresentar o álbum que foi um marco na história da guitarra.
Steve explicou que jamais excursionara tocando Passion and Warfare na íntegra e que esse seria o momento certo, com os músicos certos e no local certo. Para tornar a noite ainda mais especial, o guitarrista estava completando 57 anos.
Antes da icônica Liberty, Steve apresentou seu amigo Brian May, guitarrista do Queen, que viria a aparecer no telão em uma performance da citada composição, junto a Vai.
Temas que marcaram uma época de novas descobertas na guitarra, como Erotic Nightmares e The Animal, foram uma injeção de nostalgia nos fãs. Além de performances instrumentais impecáveis, ainda era possível ver um showman completo, em presença de palco, desenvoltura, bom humor e carisma.
Um dos momentos mais divertidos da noite foi quando, durante Answers, Joe Satriani surgiu no telão para fazer uma jam com Steve. Os músicos trocaram saudações e dividiram compassos de solos de forma sincronizada, como se o diálogo e a performance musical ocorressem ao vivo, de fato. A ideia ficou ainda melhor tendo em vista que Satriani não foi sério por muito tempo e passou a aparecer com perucas, óculos e máscaras, fazendo com que o público caísse na risada.
A apresentação inteira contou com imagens do telão, mas especialmente em I Would Love To, The Audience is Listening e For The Love of God, foram exibidos os videoclips originais de 1990, em um contraste entre o Steve Vai de 30 anos de idade e o de quase 60. The Audience is Listening também foi alterada para uma versão com jam session, recebendo desta vez o guitarrista John Petrucci, do Dream Theater, que parabenizou o aniversário e a turnê de Passion and Warfare e também duelou com Vai.
For the Love of God, maior clássico da carreira de Steve Vai e trilha sonora de incontáveis matérias, vídeos e cenas ao longo das últimas décadas, foi recebida até mesmo com lágrimas por parte do público presente.
As faixas com frases faladas eram reproduzidas a cada início de música, exatamente como no álbum. Dava mesmo pra ter a impressão de que estávamos mergulhando em 1990 e assistindo a concepção de Passion and Warfare. Em pouco mais de uma hora, Steve Vai revisitou sua masterpiece e foi aplaudido de pé.
Após uma pausa breve, a banda retomou o show com Stevie’s Spanking, durante a qual o telão exibia uma performance da canção com Frank Zappa (ao lado de um Steve Vai muito jovem). Em seguida, Racing the World e Fire Garden Suite IV – Taurus Bulba encerraram a apresentação, em meio a comemorações de aniversário, com direito a bolo, spray de serpentina e “parabéns a você” cantado por sua banda, equipe e fãs.
Uma aula de música e expressão, ministrada por um professor que mostra que ainda é possível pôr verdade na música, mesmo em tempos de fabricação de artistas. Obrigado, Steve! Que o próximo seja em breve!
Por: Murilo Bittencourt
Fotos: Doni Maciel
SETLIST
Bad Horsie
The Crying Machine
Gravity Storm
Whispering A Prayer
Liberty
Erotic Nightmares
The Animal
Answers
The Riddle
Ballerina 12/24
For the Love of God
The Audience Is Listening
I Would Love To
Blue Powder
Greasy Kid’s Stuff
Alien Water Kiss
Sisters
Love Secrets
Encore 1:
Stevie’s Spanking (Frank Zappa cover)
Racing the World
Encore 2:
Fire Garden Suite IV – Taurus Bulba

Publicações Relacionadas

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *