Magé celebra o Dia da Mulher Negra, Latina e Caribenha

Rio de Janeiro, 27 de julho de 2022, por Priscila Lívia — Celebração com diversas discussões importantes para a conscientização da população marca as comemorações na cidade de Magé. Confira no blog  que Magé celebra o Dia da Mulher Negra, Latina e Caribenha.

Magé celebra o Dia da Mulher Negra, Latina e Caribenha: veja as ações promovidas pela prefeitura

As comemorações dessa data são muito importantes para toda a população de modo que traz visibilidade para os problemas que tanto afetam as mulheres negras. Desse modo, o evento na cidade de Magé contou com diversas participações importantes, além da disponibilização de várias informações.

Qual o motivo da celebração?

A data é uma importante forma de valorização e de manter viva a memória das mulheres negras da América Latina e do Caribe que tanto lutaram por seus direitos. Além disso, é também uma forma de relembrar as lutas diárias que essas mulheres tem de lutar todos os dias.

Assim, a data é um marco internacional e tem por objetivo de discutir acerca da importância e urgência de enfrentar e combater o racismo, o sexismo e discriminações sociais sofridas.

Isso é muito importante, pois é inegável que grande parte das mulheres negras que sofrem com essas diferentes formas de violência não possuem acesso ao mercado de trabalho, a saúde e a educação de qualidade. Sendo assim, a data é uma importante forma de discutir sobre a criação de politicas públicas que tragam soluções para esses problemas tão atuais.

Quem participou do evento?

O evento em comemoração ao dia internacional da mulher negra, latina e caribenha na cidade de Magé. Contou com o apoio da prefeitura municipal e foi idealizado pelo Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher. Tal comemoração foi feita no calçadão da rua coronel João Valério.

Desse modo a moda e beleza também fazem parte da comemoração. Os trancistas terão sessões de paisagismo, música e desfiles, além de exposições de artesanato.

Como foi o evento em Magé?

O evento na cidade contou com diversas programações voltada para ao atendimento ao público. Assim como medição de glicose e pressão arterial e também contou com um atendimento no Ambulatório de Anemia Falciforme.

Além disso, foram disponibilizados informações sobre os canais de denuncia para as vitimas de qualquer forma de violência. Ademais, houve feiras de artesanato e confecções de tranças, bem como uma palestra com Ivone Mattos Bernado, fundadora do Centro Social Quilombolas Maria Conga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.