Praias impróprias para banho na Paraíba: veja trechos para evitar

Vinte e um trechos de praias estão impróprios para banho no Litoral da Paraíba, conforme o relatório de balneabilidade divulgado pela Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema). Segundo o relatório, são oito áreas em João Pessoa, cinco em Cabedelo, três em Lucena e cinco em Pitimbu.

A análise da balneabilidade da água foi realizada de 20 a 22 de maio e é válida até o dia 31 de maio, data da nova divulgação do relatório. (Confira no final desta matéria a lista de praias impróprias para banho).

Os outros pontos monitorados, situados em Mataraca, Baía da Traição, Rio Tinto e Conde, tiveram a qualidade das águas classificada como própria.

Lista de praias impróprias para banho na Paraíba

  • Manaíra, no final da Av. Ruy Carneiro
  • Manaíra, em frente ao Nº 315 da Avenida João Maurício
  • Cabo Branco, no final da Rua Gregório Pessoa de Oliveira
  • Cabo Branco, em frente à rotatória do Cabo Branco
  • Seixas, em frente à galeria de águas pluviais
  • Seixas, no final da Avenida das Falésias
  • Penha, em frente à desembocadura do Rio Aratu
  • Arraial, em frente à desembocadura do Rio Cuiá

Cabedelo

  • Jacaré, na margem direita do estuário do Rio Paraíba
  • Miramar, no final da Av. Cassiano da Cunha Nóbrega
  • Formosa, no final da rua Monsenhor José Coutinho da Silva
  • Areia Dourada, no final da Rua Projetada
  • Poço, no final da Rua Santa Cavalcanti

Lucena

  • Fagundes, No final da travessa São José
  • Lucena, em frente à desembocadura do Riacho Araça
  • Costinha, no final da Rua Ubiratan Galvão

Pitimbu

  • Pitimbú, no final da Rua da Paz
  • Maceió, em frente à desembocadura do riacho Engenho Velho
  • Azul/Santa Rita, em frente às galerias de águas pluviais
  • Coqueiros,no final da Rua Almirante Tamandaré
  • Acaú/Pontinha, em frente à desembocadura do Rio Goiana

O que é balneabilidade de praias da Paraíba?

De acordo com a Sudema, a balneabilidade é a qualidade das águas destinadas à recreação de contato primário, que são atividades de contato direto e prolongado com a água (banho, natação, mergulho, pesca, etc), onde existe a possibilidade de ingestão.

Para a avaliação, é necessário o estabelecimento de critérios objetivos, que devem se basear em indicadores a serem monitorados e seus valores confrontados com padrões pré-estabelecidos, para que se possa identificar se determinado local é favorável ou não.

Os corpos d’água contaminados por esgoto doméstico, por exemplo, podem expor os banhistas a bactérias, vírus e protozoários. Crianças e idosos, ou pessoas com baixa resistência, são as mais suscetíveis a desenvolver doenças ou infecções após terem nadado em águas contaminadas.

Doenças transmissíveis em praias com água contaminada

Doenças transmissíveis por meio de água contaminada são uma preocupação em praias. Embora a maioria das doenças relacionadas ao banho não seja grave, elas podem causar uma variedade de sintomas, como enjoo, vômitos, dores de estômago, diarreia, dor de cabeça e febre.

Além disso, infecções em áreas como os olhos, ouvidos, nariz e garganta também são possíveis. Em praias altamente contaminadas, os banhistas podem estar expostos a doenças mais graves, incluindo disenteria, hepatite A, cólera e febre tifoide.

A contaminação da água pode ocorrer de várias formas, como esgoto não tratado, descarga inadequada de resíduos e poluição causada por atividades humanas. A falta de infraestrutura sanitária adequada e o manejo inadequado dos resíduos são fatores contribuintes para a contaminação da água.

É essencial o monitoramento regular de qualidade da água e para que sejam tomadas medidas que minimizem as possibilidades de contaminação. Os banhistas também devem tomar precauções, como evitar engolir água, lavar as mãos antes de comer e após usar o banheiro, e procurar áreas de praia com melhores condições sanitárias.

A conscientização sobre os riscos associados à água contaminada é fundamental para garantir a segurança e o bem-estar dos frequentadores das praias.

Soluções para praias da Paraíba impróprias ao banho

Marcelo Cavalcanti, Superintendente da Sudema, explica que nas áreas urbanas há dois tipos de soluções para o esgotamento sanitário: a drenagem pluvial e a rede pública de esgoto doméstico.

“Muitas vezes, a população confunde essas duas redes e liga o esgoto doméstico na rede de drenagem pluvial, o que causa contaminação. Isso é ainda mais evidente em regiões litorâneas, onde existe desembocadura da rede de drenagem. O crescimento da cidade também contribui para esse problema”, explica.

A Sudema tem projetos de educação ambiental, como o “Praia Limpa”, para conscientizar a população sobre a importância de não fazer lançamentos indevidos na rede pluvial.

“Quando esses lançamentos são feitos de forma proposital, a atuação é autuar os responsáveis por crime ambiental e obrigá-los a fazer a ligação no destino correto. Essas são as ações para manter as praias da Paraíba limpas”, completou.

Sem categoria